A Basílica de São Paulo Extramuros

A Basílica de São Paulo Extramuros é uma das maiores e imponentes basílicas de Roma. Em termos de tamanho, a basílica de São Paulo é menor apenas que a Basílica de São Pedro no Vaticano.

Ela também faz parte das quatro basílicas pontifícias romanas e  goza de privilégios dados pelo Estado italiano ao Vaticano. Desfruta do princípio extraterritorial, pois a Santa Sé goza de plena autonomia jurisdicional, imposição impostos e expropriações do Estado italiano. 

A Basílica de São Paulo sofreu diversas mudanças ao longo dos séculos. 

A Basilica tem como um dos seus traços marcantes seus esplendentes mosaicos, o  Papa Leão X foi responsável pela sua construção.

Em 64 o túmulo de Paulo já era inegavelmente muito conhecido e se tornou imediatamente meta dos peregrinos romanos. Por isso, em seu sepulcro, foi erguido um pequeno monumento encomendado pelo imperador Constantino I. Em seguida foi erguida uma pequena Basílica, da qual ainda hoje podemos o abside. Em síntese, uma espécie de corredor semicircular na parte lateral e posterior do altar-mor.

São Paulo
São Paulo




Contudo, somente em meados de 324 a Basílica foi consagrada por Silvestro I, e logo após apareceram  os primeiros problemas. Contudo, a basílica era muito pequena para o número de peregrinos que na maioria dos casos haviam a intenção se permanecer dentro. Por esta razão, no reinado dos imperadores Valentiniano II, Teodisio I e Graziano foi reconstruída completamente

A Nova Basílica de São Paulo Extramuros

A nova basílica era constituída por cinco corredores e 80 colunas. Foi consagrada em 390, mas só realmente completada pelo imperador Honório em 395. Leão I comissionou os retratos papais para serem colocados sobre os arcos. 

Já com Papa Gregório I, houve uma reestruturação drástica na Basílica. Além de levantar o pavimento, foi construído um altar logo acima do túmulo de São Paulo. A construção do  altar permitiu construir uma pequena passagem para se chegar ao túmulo do mártir. É claro que o pequeno acesso foi feito abaixo do nível do transepto. Com Adriano I, refez a pavimentação, mas foi Leão III quem colocou o primeiro piso de mármore. 

A Basílica de São Paulo Extramuros, tornou-se tão importante que João III decidiu elevar as muralhas circundantes, fortificando-as com torres. Com todos estes trabalhos deu-se origem a uma verdadeira vila , chamada “Giovannopoli” em homenagem ao executor destes trabalhos. 

A Basílica de São Paulo Extramuros
A Basílica de São Paulo Extramuros

Outra estrutura foi erguida posteriormente no século XI. Em 1285 a Basílica foi embelezada por Arnolfo di Cambio,que adicionou o claustro e um cibório . 

Em 1600 Basílica de São Paulo Extramuros foi concluída. Graças à construção em primeiro lugar do altar e posteriormente da capela do Santíssimo Sacramento comandadas por Clemente VIII e por Bento XIII.

O incêndio Basílica de São Paulo Extramuros

Na noite de 15 de julho de 1823, por descuido, um funileiro que trabalhava na basílica esqueceu o fogo aceso ( ele tinha usado o fogo para ajustar as calhas da nave central ), que resultou em um grande incêndio. Foi quando José Perna, que passou por acaso nas imediações, alertou as brigadas de fogo comandadas pelo Marquês Origo. No entanto, as chamas infelizmente já tinham destruído grande parte da Basílica. Surpreendentemente a arcada, o arco triunfal, o castiçal, alguns mosaicos, o claustro e a abside não foram afetados pelo fogo. 

Basílica de São Paulo Extramuros
Basílica de São Paulo Extramuros

Houve necessidade de ser construir outra basílica, mas neste caso, aderiram escrupulosamente aos arcos originais da Basílica desejada por Constantino séculos antes. O Papa Pio VII, era gravemente doente na noite do incêndio, morreu dias depois e nunca soube do acontecido. 

Papa Leão XII cuidou da reconstrução e a tornou possível graças principalmente as doações dos fiéis. Na verdade, em janeiro de 1825, ele emitiu uma encíclica em que exortou os Bispos à pedirem ofertas.

Todo o mundo cristão respondeu com ofertas mais ou menos generosas, principalmente os soberanos dos Países Baixos, o czar Nicolau I, que doou os blocos de malaquite (dos altares laterais), do rei da Sardenha, das duas Sicílias, da França e o Vice-rei do Egito que ofereceu as colunas de alabastro.

Todas as obras foram realizadas pelo arquiteto Belli Pasquale e terminadas por Luiz Parmar, principalmente.




Uma primeira consagração de parte da nova Basílica de São Paulo Extramuros foi feita em 1840 por Gregório XVI. Logo depois, em 1854 outra consagração com o papa Pio IX. Apesar da consagração, os trabalhos continuaram com o tempo. 

Em 1891, a explosão de um barril de pólvora destruiu todas as janelas de vidro e foram substituídas posteriormente graças a doações feitas pelo rei do Egito. 

Ao propósito, até a data de hoje, dois papas estão enterrados dentro da Basílica de São Paulo: Papa Felice III e Papa João XIII. 

Quando Visitar a Basílica de São Paulo Extramuros

É possível visitar a Basílica gratuitamente todos os dias das 07.00 às 18.30. Para o claustro contudo,o bilhete custa 4euros e é aberto diariamente das 09.00 às 18.00. 

Como Chegar a Basílica de São Paulo Extramuros

Se chega à Basílica de São Paulo, tanto com veículos públicos e privados.  Com o ônibus você tem que tomar a linha 23 e descer na parada “Ostiense”. Com o metrô ( vindo da estação Roma Termini ou do Aeroporto Leonardo da Vinci ) pegar a linha B e descer na parada “Basílica di San Paolo”. 

Ao redor da Basílica se encontram muitos pubs, cafés, restaurantes, tavernas, assim como trattorias e pizzarias. É possível experimentar produtos locais genuínos, tomar um cappuccino ou então almoçar mais tranquilamente nas pausas de descanso. 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: